fbpx

PROTOCOLO ENOTURISMO SEGURO

Apresentamos o PROTOCOLO ENOTURISMO SEGURO, voltado às vinícolas, em função da Pandemia do Covid- 19

PREMISSA

O protocolo visa ser um guia para as vinícolas e outros atores do turismo do vinho, para a adaptação de suas estruturas e serviços de recepção, priorizando o cuidado e a salvaguarda da vida das pessoas.

Os RECEPTORES são vinícolas dedicadas ao enoturismo e outras instalações turísticas com o mesmo objetivo.

O Protocolo, elaborado por especialistas e organizações de enoturismo de todo o mundo, deve ser harmonizado com as regras e regulamentos desenvolvidos em nível regional e territorial por cada vinícola.

Sugerimos publicá-lo no site da vinícola e exibi-lo na vinícola para proteger funcionários e visitantes.

 

Foto: Vinícola Vaccaro

COMUNICAÇÃO ANTERIOR À VISITA

  1. Informar aos visitantes de sua corresponsabilidade com a vinícola no cumprimento das regras de distância e higiene para proteger não apenas a si mesmos, mas, também, a todas as pessoas presentes na vinícola, sejam eles enólogos ou funcionários da vinícola.
  2. Informar aos visitantes sobre os sintomas da Covid19 e, se ocorrerem nos 15 dias anteriores à visita, aconselhe-os a não comparecer às instalações. Os sintomas são: febre, tosse, diarreia, falta de ar, perda de olfato.
  3. Avisar não ser recomendável visitar a vinícola se nos últimos 15 dias o visitante tiver entrado em contato com pessoas que foram confirmadas com o diagnóstico de Covid-19.
  4. Informar aos visitantes sobre as medidas preventivas em vigor no momento da visita, como o uso da máscara, álcool gel e distanciamento físico.
  5. Informar e, portanto, fornecer aos visitantes opções pré-pagas para evitar o uso de dinheiro ou cartão de crédito antes de suas chegadas à vinícola.
  6. Avisar: Convidamos você a agendar a visita com antecedência.
  7. Ative a reserva e o pré-pagamento eletrônico da visita.

 

UMA VEZ NA ADEGA

  1. Medir a temperatura de cada visitante antes de entrar na adega, usando scanners ou termômetros.
  2. Colocar os tapetes na entrada da adega, sempre umedecidos com água e solução desinfetante, para garantir a desinfecção das solas dos sapatos.
  3. Registrar os dados pessoais do visitante, se necessário, com base nas recomendações atuais. Exemplo: origem, locais visitados nos últimos 14 dias, contato com determinadas pessoas etc.
  4. Perguntar sobre possíveis sintomas anteriores.
  5. Opcional: pedir ao turista que assine a declaração.
  6. Verificar o uso de proteções por todos os visitantes (máscaras), fornecendo soluções para quem precisar delas (podem ser comercializadas).
  7. Fornecer itens de higiene e desinfecção, como géis e sprays desinfetantes.

 

RECEPÇÃO

  1. Instalar telas de proteção na recepção.
  2. Indicar a distância de segurança de 2 metros para as filas.
  3. Estimular o pagamento eletrônico (cartão ou celular) das experiências e, preferencialmente, a emissão de nota fiscal eletrônica.
  4. Informar aos visitantes sobre a visita e todas as precauções de higiene e distanciamento físico adotadas pela vinícola.
  5. Fornecer aos visitantes as informações atualizadas sobre o vírus Covid-19.
  6. Evitar o contato físico na saudação e em todas as etapas da visita guiada.

 

DEGUSTAÇÃO

Recomendações para proteger os visitantes:

  1. Convidar os visitantes a realizarem a higiene das mãos antes do início da degustação (lavagem e uso de gel desinfetante).
  2. Respeitar as distâncias de segurança.
  3. Proibir a alteração da posição do lugar designado para a degustação.
  4. Proibir o compartilhamento dos copos de vinho.
  5. Proibir o compartilhamento dos alimentos durante a degustação.

Recomendações para quem realiza o serviço de degustação:

  1. Antes de iniciar a degustação, lavar as mãos e/ou desinfetá-las com álcool, na presença de visitantes.
  2. Evitar o contato entre a garrafa e o copo ao servir a bebida.
  3. Evitar o uso de conta-gotas.
  4. Evitar tocar na boca da garrafa com as mãos ao abri-la, usar sempre luvas descartáveis.
  5. Não usar cuspideiras.
  6. A administração de alimentos, juntamente com a degustação de vinhos, seguir rigorosamente os protocolos nacionais ou regionais relevantes.
  7. Antes e depois de cada degustação, limpar e desinfetar todas as superfícies com as quais o visitante entrou em contato.
  8. Sugere-se, quando possível, organizar degustações ao ar livre.

 

DICAS PARA O TOUR GUIADO

  1. Recomendamos que organize visitas particulares ou em pequenos grupos.
  2. Recomendamos que planeje rotas de ida e volta, sempre que possível.
  3. Organizar visitas com horários e rotas escalonados para manter a distância entre os grupos visitantes.
  4. Dar prioridade aos espaços abertos e ao ar livre, tentando ficar lá o maior tempo possível.
  5. Evitar o contato do turista com todos os outros colaboradores da vinícola que não participam da visita guiada.
  6. Adotar medidas de separação e proibição, que impeçam os visitantes tocar qualquer instrumento na vinícola.
  7. Consultar os técnicos sobre o tempo de permanência dos visitantes em espaços fechados, de acordo com o número de pessoas, ventilação, trocas de ar e ar condicionado.
  8. Disponibilizar o tempo necessário para limpar e desinfetar os espaços entre uma visita guiada e outra.
  9. Evitar o uso de dispositivos tecnológicos para usar na visita guiada compartilhada (por exemplo: guias de áudio, aparelhos de realidade virtual, etc.)

 

LOJA DE VINHOS

  1. Instalar telas de proteção.
  2. Usar proteções pessoais, como luvas e máscaras, para os funcionários da loja de vinhos.
  3. Impedir que os visitantes entrem em contato com produtos dentro da loja.
  4. Colocar claramente os preços dos produtos.
  5. Disponibilizar ferramentas de consulta digital, que permitem encontrar informações técnicas sobre vinhos e todos os outros produtos.
  6. Identificar um parceiro responsável pela embalagem do produto e a única pessoa responsável pela entrega do pacote aos visitantes.
  7. Desinfetar com soluções hidro-alcoólicas todos os elementos que estão em contato com os visitantes.
  8. Incentivar o pagamento por celular ou cartão (“Sem Contato”).
  9. Desinfetar as mãos depois de tocar em notas ou moedas e antes de iniciar a próxima transação.
  10. Promover a solução de pagamento único para todas as atividades e produtos adquiridos.
  11. Garantir a distância mínima entre o caixa e o visitante.
  12. Dar acesso às instalações a um número limitado de pessoas, dependendo do tamanho dos espaços. Servir uma pessoa de cada vez, para evitar multidões.

 

FIM DA VISITA

  1. Evitar usar livros de visitas.
  2. Não entregar material impresso, mas apenas informações de armazenamento em formato eletrônico, usando pen drives ou outros dispositivos de armazenamento (de preferência pela internet).
  3. Realizar uma pesquisa de satisfação ou criar ações para facilitar a fidelidade, digitalmente.
  4. Evitar contato na saudação de despedida.
  5. Convidar o visitante a compartilhar o que experimentou durante a experiência, principalmente no que se refere aos cuidados prestados pela vinícola do ponto de vista da higiene e da saúde.

 

USO DE ESPAÇOS

  1. Priorizar o uso de locais abertos ou bem ventilados.
  2. Evitar o uso de elevadores.
  3. Em locais fechados, usar uma faixa de temperatura entre 23 ° e 26 ° C.
  4. Estabelecer a capacidade de cada sala ou espaço de acordo com os regulamentos ou recomendações para o espaço físico em vigor no momento da abertura.
  5. Apresentar cartazes informativos com as medidas de higiene recomendadas, na recepção, quartos, restaurante, banheiros, etc.
  6. Estabelecer um sistema que evite a concentração de pessoas nos banheiros, indicando a distância de segurança necessária, em caso de fila.
  7. Disponibilizar sabão e álcool em todos os banheiros.
  8. Realizar a limpeza e desinfecção de banheiros entre as visitas.
  9. Usar cestos ou compartimentos com “pedal”, visando evitar levantar as tampas com as mãos.
  10. Colocar equipamentos automáticos para uso do álcool a 70% ou gel de álcool em cada espaço pelo qual a visita ocorrerá: recepção, caixa, sala de degustação e outras partes do passeio.

 

RESTAURANTE

  1. Oferecer o serviço através de reservas, visando evitar áreas de espera.
  2. Oferecer aos visitantes as soluções hidro-alcoólicas, localizadas na entrada e no espaço central do restaurante.
  3. Implantar sistemas que permitem o isolamento de guarda-chuvas, incluindo alças.
  4. Manter a distância entre mesas: respeitar as capacidades e distâncias entre mesas estabelecidas pelas autoridades competentes (leis municipais e estaduais).
  5. Evitar usar toalhas de tecido, prefira o uso de toalhas de mesa individuais, descartáveis ​​ou reutilizáveis.
  6. Se usar toalhas de mesa, montar a mesa na frente do cliente, para gerar a segurança ao cliente.
  7. Fazer a troca completa da toalha de mesa entre os serviços.
  8. Verificar se a louça, copos, xícaras e talheres que serão colocadas sobre a mesa estão em boas condições de limpeza.
  9. Priorizar a oferta de bebidas individuais.
  10. Minimizar o tempo do garçom na mesa.
  11. Minimizar o número de garçons que interagem com o cliente.
  12. Servir os pratos individualmente.
  13. Determinar o uso de equipamento de proteção individual por todo o pessoal de serviço
  14. No final da refeição, limpar e desinfetar as maçanetas, grades, mesas, cadeiras, poltronas, menus, recipientes, elevadores, bandejas, máquinas de bebidas, etc.

 

COZINHA

  1. Aplicar padrões regulares de higiene e saneamento e boas práticas de processamento e manuseio de alimentos, através do uso de elementos obrigatórios de proteção individual.
  2. Limpar e desinfetar produtos e recipientes antes de armazená-los em refrigeradores, câmaras e tanques.
  3. Remover os invólucros originais sempre que possível.
  4. Manter a equipe externa da cozinha fora da cozinha.
  5. Estabelecer medidas extremas de limpeza em todos os elementos, ferramentas de trabalho, tetos falsos e sistemas.
  6. Designar uma área para garçons, onde se mantenha a distância adequada da equipe de cozinha.
  7. Designar um espaço adequado para lavar a louça suja.
  8. Implementar uma política adequada para limpar e desinfetar a louça.
  9. Designar um espaço para pegar ou armazenar itens limpos.
  10. Usar luvas para manusear itens de higiene por pessoas designadas exclusivamente para esta tarefa.

 

A EQUIPE

  1. Fornecer treinamento sobre cuidados pessoais e medidas de segurança, em relação ao contato com o visitante e manuseio dos elementos.
  2. Estabelecer procedimentos de entrada no local de trabalho, que podem incluir: desinfecção de calçados, uniformes exclusivos no local de trabalho, lavagem das mãos ou colocação de álcool gel. Recomendar a lavagem diária dos uniformes de trabalho.
  3. Fornecer ao pessoal todos os elementos de proteção necessários, de acordo com a legislação vigente.
  4. Desenvolver um procedimento de ação para identificar sintomas do vírus (por exemplo, febre, tosse, etc.).
  5. Identificar itens pessoais, como xícaras, copos, talheres ou recursos da equipe, como chapéus ou microfones, que não devem ser compartilhados.

 

CONTRATOS COM AGÊNCIA

  1. Revisar os contratos comerciais com agências e operadores turísticos e anexar a eles as permissões necessárias, que devem ser fornecidas em conformidade com as novas condições de operação, para turistas individuais ou grupos nacionais e internacionais.

 

INICIATIVA

Essa iniciativa possui uma grande pluralidade de perfis, endossados ​​por um relacionamento próximo e longo com o setor em cada um dos casos, reunindo profissionais da Argentina (Gonzalo Merino / Bodegas Argentina e Lorena Cepparo de Chandon), Brasil (Ivane Fevero, cosultara), Chile (Alicia Ortiz / Enoturismo Chile), Espanha (Chelo Miñana / Masaveu Bodegas; Beatriz Vergara / González Byass; Tonia Castells / Freixenet; Álvaro Garnica e Oscar Manzano / Global Journey Consulting; Alberto García / FEV; Zaida Semprun / Consultor do Programa Makers); França (Catherine Leparmetier / Rede Global Great Wine Capitals), Itália (Roberta Garibaldi / professora universitária, Nicola D’Auria / Movimento Turismo del Vino), México (Daniel Sánchez / Hacienda Guadalupe Winery & Hotel, Jorge Ferreira / Viñedos Azteca e Víctor Sixto / Consultora do Codex), EUA (Claudia Vecchio / Sonoma) e África do Sul (Mariette Du Toit-Helmbold / Consultora Destinate) e prevê sua existência além dessa situação de crise.

A atuação promove, a partir de sua base, a colaboração entre destinos e posiciona o Enoturismo como um dos setores turísticos mais sustentáveis ​​e com a maior projeção dentro da nova realidade global do turismo.

 

Importante:

O Viajante Maduro viaja como ideal de vida e profissão. A Ivane Fávero é Mestre em Turismo, com longa atuação no enoturismo. Para saber mais sobre a profissional, acesse aqui. 

A opinião aqui expressa é a nossa verdade! As fotos são do Everson Tavares (Ivane) e da Lúcia Fávero Moraes (braço tatuado).

Não deixe de curtir nossa página no Facebookno Pinterest, no Youtube e no Instagram. Também aproveita e te inscreve aqui no blog, cadastra teu e-mail, assina e depois, quando receber o e-mail em sua caixa de mensagens, confirma! Isso é super importante para a gente! Estímulo para continuarmos com este blog. Agradecemos!

Esperamos que tenham gostado desta postagem, que teve sua elaboração feita com muito carinho e atenção. Queremos compartilhar nossas experiências com o objetivo de ajudar aos nossos leitores a terem experiências e vivências memoráveis em suas viagens, como nós.

A programar sua viagem, utilize os links abaixo. As empresas e serviços aqui indicados foram testados por nós:

Comentários